segunda-feira, 9 de julho de 2012

Porque é que o bosão de Higgs recebeu a denominação de “partícula de Deus”?


Porque é que o bosão de Higgs recebeu a denominação de “partícula de Deus”?
http://fisicareformacional.blogspot.com.br/2012/07/porque-e-que-o-bosao-de-higgs-recebeu.html 

Porque é que o bosão de Higgs recebeu a denominação de “partícula de Deus”?


A habilidade retórica de Carlos Fiolhais

by O. Braga


AP – Porque é que o bosão de Higgs recebeu a denominação de “partícula de Deus”?
CF – Uma brincadeira do físico Leon Lederman, que esteve há anos em Portugal a fazer uma palestra na Figueira da Foz. Deu o título de “partícula de Deus” a um livro que escreveu com um jornalista, provavelmente com o objetivo de maximizar as vendas do livro. A palavra pegou, apesar de ser despropositada.
Os físicos não chegaram mais perto de Deus com esta descoberta até porque o papel da física não é a aproximação a uma divindade.
Diz Carlos Fiolhais que "o papel da física não é a aproximação a uma divindade". Mas o que o Carlos Fiolhais não diz é que — a julgar pelo papel desempenhado pelo blogue Rerum Natura em que ele colabora — o papel da ciência tem sido o de tentar provar que não é possível a aproximação a uma divindade.
A ciência pode eventualmente provar ou demonstrar que uma coisa existe ou que um determinado fenómeno faz parte da realidade; mas não pode provar que essa coisa não existe ou que esse fenómeno não faz parte da realidade. Quando a ciência pretende provar que partes da realidade não existem, entra pelo cientismo adentro — que é o que está a acontecer hoje, e mais do que nunca, com a ciência.
Esta entrevista de Carlos Fiolhais ficou guardada em PDF. Tenho boa memória.
O. Braga | Segunda-feira, 9 Julho 2012 at 5:10 am | Tags: boson de HiggsCarlos Fiolhaispartícula de HiggsRerum Natura | Categorias: Ciência | URL:http://wp.me/p2jQx-ci8

sábado, 7 de julho de 2012

Um exemplo do “cristão bonzinho”, e “a partícula de Deus”


Um exemplo do “cristão bonzinho”, e “a partícula de Deus”


by O. Braga
"Apesar de não ter visto muito apropriamento do tema por parte dos ateus, tenho visto alguns cristãos (poucos) a reagirem adversamente à descoberta da chamada "partícula de Deus" (i.e. o bosão de Higgs). Parece que algumas pessoas terão pensado que se trata de uma descoberta científica que refuta a existência de Deus.
Não é assim, de todo. E a prova está em que a Igreja Católica (na esteira daquilo que já é sua tradição) veio saudar entusiasticamente mais esta descoberta científica como uma contribuição positiva para a Humanidade."
O “cristão bonzinho” é aquele que, entre outras coisas perversas, colabora activamente com o cientismo, seguindo o princípio calvinista e revolucionário segundo o qual“quanto mais me batem e me martirizam, mais santo me torno”, e por isso, há que incentivar o martírio.
Se, para ser mártir, é mister que me crucifiquem, então há que incentivar os outros a proceder activamente no sentido da minha crucificação — trata-se de uma interpretação errada dos Evangelhos e da Paixão de Jesus Cristo.
Em primeiro lugar, o problema dos cristãos não é o “temer”, ou “não temer”, o bosão de Higgs. O problema é o de reagir, ou não, contra a atitude cientificista de o apelidar de “partícula de Deus”.
Em segundo lugar, não foi Higgs que alcunhou a sua putativa partícula de “partícula de Deus”. Antes, foi o prémio Nobel Leon Lederman. Existe uma intencionalidade metafísica por detrás desta nomenclatura que não pode ser negada senão por um idiota “cristão bonzinho”...
Em terceiro lugar, o que foi encontrado pela ciência foi uma “pegada” — um indício; uma evidência — de algo que pode ser a partícula de Higgs, mas que não se sabe ainda se é, de facto, a tal partícula de Higgs.
Em quarto lugar, e mesmo que se venha a demonstrar que a tal “pegada” é, de facto, a partícula de Higgs, tratar-se-ia de uma descoberta modesta que custou um balúrdio de dinheiro, e que apenas viria validar o chamado “Modelo Padrão” [ou Standard] da física quântica que exclui a força da Gravidade.
Vamos deixar de ser "cristãos bonzinhos" e adoptar o espírito crítico. O Cristianismo não é incompatível com o espírito crítico e com a Razão.




Divulgação:

http://cultura-calvinista.blogspot.com

http://metodologiadoestudo.blogspot.com

http://direitoreformacional.blogspot.com

http://biologiareformacional.blogspot.com  


VÍDEOS INTELIGENTES:

http://academiaemdebate.blogspot.com

quarta-feira, 4 de julho de 2012

A ciência descobriu a pegada do bosão de Higgs


A ciência descobriu a pegada do bosão de Higgs


by O. Braga



A ciência diz que a pegada descoberta pode ser do bosão de Higgs e, por isso, é do bosão de Higgs.
Mas ainda assim, e apesar da certeza de que a pegada é do bosão de Higgs, a ciência diz que é preciso mais trabalho — e mais dinheiro dos contribuintes — para se ter a certeza de que a pegada é do bosão de Higgs.
A ciência diz que através da combinação de dois tipos de dados diferentes, chegou à conclusão de que a pegada é do bosão de Higgs e com um nível de certeza de “5-sigma” — o que significa que existe uma probabilidade em ≈ 10^7 [1 seguido de 7 zeros] de que a pegada que a ciência viu não apareceria se nãoexistisse o bosão de Higgs. Mas, logo a seguir, a ciência chegou à conclusão de que uma total combinação de dados — e não apenas dos dois tipos diferentes referidos acima — reduziu a probabilidade para “4,9-sigma”, ou seja, ≈ 10^6 [1 seguido de 6 zeros].
O projecto da demanda do ouro alquímico do bosão de Higgs já custou aos cidadãos da Europa bilhões de bilhões de Euros, e agora que a ciência já encontrou a pegada, já se justifica que se gastem muitos mais bilhões de Euros para descobrir se o bosão de Higgs existe mesmo ou se é apenas uma certeza absoluta.
O. Braga | Quarta-feira, 4 Julho 2012 at 5:57 pm | Tags: CientismoHiggspartícula de Higgs | Categorias: A vida custaCiênciaEsta gente votaEuropa | URL:http://wp.me/p2jQx-cdX

terça-feira, 3 de julho de 2012

Bosão de Higgs: está na forja mais uma fraude cientificista


Bosão de Higgs: está na forja mais uma fraude cientificista


by O. Braga

Sean M. Carroll, a California Institute of Technology physicist flying to Geneva for Wednesday's announcement, said that if both ATLAS and CMS have independently reached these high thresholds on the Higgs boson, then "only the most curmudgeonly will not believe that they have found it."
Reparem como se mistura, aqui, ciência e política. E quando se mistura ciência e política, estamos em presença de cientismo. Reparem no discurso religioso exaltado e exaltante de António Piedade, digno de um Mulá radical islâmico.
O que se teria eventualmente que procurar — em lugar do bosão de Higgs — não seria talvez uma partícula, porque a ideia de que uma partícula material pode transformar a não-matéria, em matéria, é um raciocínio circular e absurdo.
Tudo o que se está passar em torno do chamado bosão de Higgs, a que os cientistas, em tom provocatório e perfeitamente evitável, chamam de “partícula de Deus”, é uma manifestação vergonhosa de propaganda política, face à falência total e completa das recentes teorias da física defendidas por eminentes cientistas — por exemplo, a teoria de Stephen Hawking segundo a qual o universo surgiu do Nada. Por outro lado, escândalos recentes de fabricação de estatísticas e dados para alimentar uma investigação científica fraudulenta e paga por todos os contribuintes, — tudo isso tem levado os cidadãos a olhar a ciência que se faz hoje de uma forma suspeita.
O esquema de marketing é semelhante ao dos partidos políticos.
Portanto, toda esta azáfama de gente como o António Piedade e dos colaboradores religiosos naturalistas do blogue Rerum Natura, em geral, tem tudo a ver com marketing político no sentido de branquear as tristes figuras que o cientismo tem protagonizado recentemente. A notícia dada por António Piedade é basicamente a notícia de que a montanha pariu um rato, mas o seu discurso fortemente politizado e cientificista não deixa de impressionar quem, de facto, tem uma noção do que se passa. E quando se verificar que as "evidências" não são "provas", os leitores do Rerum Natura já se terão, entretanto, esquecido da promessa política cientificista do António Peidade, restando-lhes apenas nos escaninhos da memória o discurso político de exaltação optimista e progressista do cientismo.

A notícia da agência noticiosaFrance Press, em epígrafe, já mudou o discurso: em vez de utilizar o termo “prova” — que tem sido utilizado até há pouco tempo —, utiliza agora o termo “evidência”. A comunidade cientificista mudou o discurso e diz agora que procura “evidências” da existência do bosão de Higgs, quando há meses dizia que procurava “provas”.
Qualquer pessoa minimamente informada sabe que tudo isto é uma manobra política levada a cabo pela comunidade cientificista, no sentido da sensibilização da população, em geral, para assim poder “sacar umas massas” aos contribuintes por intermédio dos impostos pagos por todos, forjando dados e estatísticas e apresentando a fraude como investigação científica.
Desde logo, qualquer leigo tem a noção lógica segundo a qual a defesa da ideia de que é possível compreender a formação material de uma partícula elementar (por exemplo, um electrão, que em forma de partícula, tem massa, e por isso é matéria) através da acção de um outra partícula elementar (o tal bosão de Higgs), é um contra-senso; e os cientificistas sabem perfeitamente disso. É elementar que uma partícula (o bosão de Higgs) não pode, por princípio lógico, transformar não-matéria em partícula, porque o bosão de Higgs é alegadamente uma partícula também.
O que se teria eventualmente que procurar — em lugar do bosão de Higgs — não seria talvez uma partícula, porque a ideia de que uma partícula material pode transformar a não-matéria, em matéria, é um raciocínio circular e absurdo.